Notícias

Brasil é o quarto país com mais casamentos infantis no mundo

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

“Eu tinha 14 anos e ele, quase 30. Como um homem mais velho, ele teve as artimanhas para me seduzir e eu engravidei. Me deparei com a realidade de cuidar de uma filha e de ser dona de casa. Sofri muito, ele era agressivo, ciumento e possessivo”. Com o casamento na adolescência, a secretária Daniela Araújo, 37 anos, foi afastada da escola, viveu um relacionamento abusivo e passou pelos riscos de uma gravidez precoce.

De acordo com estudo do Banco Mundial, casamentos infantis são a causa de 30% da evasão feminina de adolescentes de escolas e aumentam as chances de meninas engravidarem precocemente e sofrerem violência doméstica, abusos e estupros maritais – quando a mulher é violentada pelo marido.

O Brasil é o quarto país do mundo com mais casamentos de crianças e adolescentes do sexo feminino. De acordo com o levantamento do Banco Mundial, entre mulheres com idades entre 20 e 24 anos, 36% se casaram antes da maioridade no país, o que representa 2,9 milhões de pessoas.

A Justiça brasileira permite casamento com menores de 18 anos em duas situações. Para os que possuem 16 e 17 anos, o matrimônio é oficializado se houver a autorização dos pais do adolescente. Já no caso do noivo ou da noiva ter menos de 16, o casamento é permitido se houver gravidez.

Antes de 2005, havia ainda a possibilidade de o casamento ser realizado para que o noivo ou noiva maior de 18 anos evitasse pena criminal. Essa brecha na lei foi anulada. “Era uma isenção da pena de se relacionar com uma menor. O casamento deixava o agressor ficar impune”, diz a procuradora do Ministério Público da Bahia (MP-BA), Márcia Guedes.

No Brasil, violentar sexualmente crianças ou adolescentes ou manter relação sexual com uma pessoa com menos de 14 anos é crime. “Socialmente, as pessoas aceitam a relação entre duas pessoas com uma delas menor de idade e esquecem de observar que, por trás disso, pode haver o crime”, afirma Márcia, que é coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Criança e do Adolescente (Caoca) do MP-BA.

Meninas

A pesquisa do Banco Mundial aponta que a união mais comum em casamentos infantis é entre homens com mais de 18 anos e meninas que não alcançaram a maioridade. Na Bahia, quinto estado com mais uniões matrimoniais com crianças e adolescentes no Brasil, a cada 100 meninas com menos de 18 anos que se casam, seis meninos nessa faixa etária contraem matrimônio.

No estado, mais de duas mil crianças e adolescentes se casaram em 2015, de acordo com dados do IBGE. No mesmo ano, 38,7 mil meninas com menos de 18 anos se casaram no país. A procuradora do MP-BA afirma, no entanto, que o número de uniões deve ser ainda maior. “Quase a totalidade dos casamentos infantis são na informalidade”.

Para os que casam formalmente, há uma obrigatoriedade do regime de divisão total de bens. Para a promotora, essa regra não favorece a criança ou adolescente. “Deveria ser um regime que protegesse o menor, que nem tem acesso ao que for conquistado em matrimônio”, afirma a coordenadora do Caoca.

Campanha

Um projeto de lei em tramitação no Congresso prevê a proibição do casamento de crianças e adolescentes com menos de 18 anos no Brasil independente da situação. A ONG britânica Plan International promove a campanha “Casamento Civil Não” para incentivar a mudança na lei por meio de uma petição online. Para assinar, é preciso entrar no site da campanha: www.casamentoinfantilnao.org.br.

“Precisamos de mudanças efetivas nas leis que, ao manterem brechas para o casamento formal antes dos 18 anos, enviam um poderoso sinal a sociedade de que meninas podem se casar”, defende a especialista de gênero da organização, Viviana Santiago.

A procuradora do MP-BA argumenta ainda que deve haver uma mudança cultural no país. “A sociedade precisa se conscientizar das consequências para a vítima”, diz a coordenadora do Caoca.

Para Viviana Santiago, o grande problema é que foi construída a compreensão social de que o casamento é a melhor opção para uma menina e de que o matrimônio resolverá qualquer problema que ela tenha.

Daniela Araújo, que viveu a experiência de um casamento infantil, conta que educa suas filhas para não seguir o caminho dela. “Todo o sonho que ele [o marido] pintou para mim, de que eu teria a vida de princesa, foi mentira. A menina quando tem uma fase interrompida, ela passa por muitos sofrimentos. Aquilo causa marcas, a pessoa entra em muitos conflitos”.