Política

Bolsonaro quer aprovar parte da reforma da Previdência no governo Temer

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse hoje pela primeira vez que pode apoiar a aprovação da reforma da Previdência ainda no atual governo. O presidente Michel Temer afirmou ontem que é possível finalizar a reforma enviada ao Congresso ainda neste ano se Bolsonaro quiser.

“Na semana que vem, estaremos em Brasil para um encontro com Temer. Se der para aprovar alguma coisa da reforma da Previdência, o todo ou parte, evitaria um problema para o futuro governo”, disse Bolsonaro em entrevista para a Rede Record.

Segundo ele, o novo governo vai atuar junto ao Congresso para evitar a votação de pautas-bombas. “Pois temos um déficit monstruoso e ele não pode aumentar.” 

Temer afirmou que pode deixar a ‘estrada estará inteiramente asfaltada para o próximo governo”, referindo-se à reforma da Previdência. A proposta parece contar com o apoio de Paulo Guedes, futuro ministro da Fazenda. Em encontro com investidores, Guedes disse a que Bolsonaro poderia ajudar Temer a aprovar a reforma.

Hoje, Bolsonaro afirmou que não dá para revogar o limite do teto de gastos. “Não adianta revogar o teto, não tem como investir mais.”

Ele acenou para o empresariado e prometeu  medidas para destravar a economia. “É preciso destravar a economia, desburocratizar, regulamentar para que os investidores, empresários e comerciantes tenham meios de empregar sem tanta burocracia. Somente dessa forma dá para movimentar a economia.”

Mercosul

Bolsonaro ironizou a forma como Paulo Guedes respondeu a uma pergunta de uma jornalista argentina sobre o Mercosul: “ele se soltou”. Guedes chamou de ‘malfeita’ a pergunta sobre a possibilidade de rompimento com o Mercosul. “Mercosul não é prioridade. É isso que você queria ouvir?”, perguntou Guedes para a repórter do jornal argentino Clarín.

O presidente eleito endossou a visão do futuro ministro da Fazenda peso do Mercosul nas relações comerciais com o Brasil. “Acho que o Mercosul é supervalorizado, no meu ponto de vista. Ninguém quer implodir [o bloco], mas dar a devida estatura que ele tem.”