Política

Bolsonaro já anunciou 20 ministros e tenta finalizar Esplanada nesta semana

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, inicia esta semana com 20 de seus ministros confirmados. O militar está próximo de finalizar as indicações para a Esplanada.

O capitão da reserva afirmou neste domingo (2.dez.2018) que faltam ainda titulares para duas pastas. Uma delas é Meio Ambiente. Durante a campanha, Bolsonaro dizia que a pasta seria incorporada à Agricultura. Desistiu e alegou que a fusão desagradava setores ligados às duas áreas.

Bolsonaro afirmou esperar que o nome saia nesta semana. Um dos mais cotados é o agrônomo Xico Graziano.

Atribuições referentes a Direitos Humanos, Trabalho e Mulheres podem formar mais 1 ou 2 ministérios. Bolsonaro disse no sábado (1º.dez) que a advogada e pastora Damares Alves é “forte concorrente” ao posto de ministra da pasta.

“É 1 ministério que se identifica muito com ela”, afirmou o militar, sem confirmar a escolha. Damares é assessora parlamentar do senador Magno Malta (ES-PR). O congressista pleiteia 1 ministério, mas até o momento não foi nomeado.

Saiba quem são os ministros nomeados até esta 2ª feira:

© Fornecido por Poder360 Jornalismo e Comunicação S/S LTDA.

Mais ministérios do que o prometido

Durante a campanha, Bolsonaro prometeu enxugar a estrutura do 1º escalão, dos atuais 29 para 15 ministérios. Mas vários órgãos que perderiam o “status” seriam prejudicados.

É o caso do Banco Central. Como já explicou o Poder360, parte da autonomia operacional da autarquia decorre do fato de haver “status de ministro” para o presidente do órgão. Ele disse que manterá assim até que o a instituição se torne independente.

Caso Bolsonaro feche o desenho da Esplanada com 22 ministérios, ele será o 3º presidente eleito, desde a redemocratização, a iniciar o mandato com menor número de pastas. O 1º é o ex-presidente Fernando Collor de Mello, que iniciou o mandato, em 1990, com 12 ministérios, seguido por Itamar Franco, que assumiu após o impeachment de Collor, em 1992, com 16 pastas.