Política

Bolsonaro e aliados de Lula trocam acusações durante atos em Curitiba

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O encerramento da caravana organizada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por Estados da Região Sul do País, ontem à noite, em Curitiba, foi marcado por troca de acusações entre o deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSL-RJ) e aliados do petista, que também se coloca na disputa ao Palácio do Planalto em outubro. Bolsonaro atribuiu os tiros que atingiram a caravana de Lula anteontem, no interior do Paraná, aos próprios petistas. Em reação, o ex-presidente, os pré-candidatos do PSOL, Guilherme Boulos, e do PCdoB, Manuela D’Ávila, além do ex-prefeito Fernando Haddad, falaram em “fascismo” e discursaram contra o que chamaram de escalada de violência no processo eleitoral.

Acusado por petistas por incentivar os ataques, Bolsonaro negou qualquer responsabilidade e sugeriu que os tiros, na verdade, teriam sido disparados por integrantes da própria comitiva. “Está na cara que alguém deles deu os tiros. A perícia deverá ficar pronta entre hoje (ontem) e amanhã (hoje) e vai apontar a verdade”, disse o deputado no início da noite de ontem em Ponta Grossa.

“Estão mais para fascistas e nazistas do que para democratas”, afirmou Lula ao comentar os protestos enfrentados pela comitiva petista no Sul – como na passagem por Bagé (RS), onde o grupo foi atacado por pedras. “Alguns (manifestantes) eu não sei quem são. Não vou avisar se é do (Sérgio) Moro, do MBL, usineiros, arrozeiros, porque não sei quem são”, declarou o ex-presidente. Enquanto ele discursava, manifestantes contrários ao petista batiam panelas nos prédios em volta do palanque.

O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, afirmou que o ato de ontem marcou o compromisso da esquerda com sua unidade e defesa da democracia. Em quase dez dias de trajeto pelo Sul, a comitiva de Lula enfrentou diversas manifestações – estradas foram fechadas e carros da caravana, atingidos por pedras e ovos.