Destaque

Bolsonaro diz que brasileiro ‘não sabe’ o que é ditadura

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse nesta 2ª feira que o brasileiro “não sabe” o que é ditadura. A declaração foi dada após conversa do militar por telefone com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán.

“A Hungria é 1 país que sofreu muito com o comunismo no passado, tem 1 povo que sabe o que é ditadura. O povo brasileiro não sabe o que é ditadura aqui ainda. Não sabe o que é sofrer nas mãos dessas pessoas”, afirmou a jornalistas, em frente ao condomínio onde mora na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, ao voltar de uma agência bancária.

Bolsonaro disse que o primeiro-ministro húngaro o telefonou para parabenizá-lo por sua vitória nas eleições de outubro. Orbán também teria manifestado a intenção de comparecer à posse do presidente eleito no dia 1º de janeiro. “Ele está muito feliz com a nossa eleição”, disse.

Segundo Bolsonaro, os 2 conversaram ainda sobre a possibilidade de firmarem futuras parcerias entre os países.

Viktor Orbán é primeiro-ministro desde 2010 e integra o Fidesz, partido de extrema direita que tem, atualmente, a maior bancada de deputados no país europeu. Orbán é alvo de críticas principalmente pelo política anti-migratória.

Violações da Hungria

Em setembro, o Parlamento Europeu acionou pela 1ª vez o artigo 7º do Tratado da União Europeia e recomendou a instauração de 1 procedimento disciplinar contra a Hungria por violações graves a direitos de imigrantes e por ignorar regras democráticas. O artigo determina, como sanção máxima, a suspensão dos direitos de voto do Estado-membro.

Questionado sobre essa situação, Bolsonaro afirmou que a Europa está sofrendo com a imigração desordenada. O presidente eleito também criticou a Lei de Migração brasileira, aprovada em 2017.

“Eu fui contra essa última Lei de Migração. Ela transformou o Brasil em 1 país sem fronteiras. Não podemos permitir a entrada indiscriminada de quem quer vir para cá. Se essa lei continuar em vigor, qualquer um pode entrar aqui e chega aqui com mais direitos do que nós”, afirmou.

O presidente eleito também comentou o embate entre ONGs (Organizações não-governamentais) e o governo da Hungria, sinalizando como pretende abordar a questão durante seu mandato.

Em agosto, ONGs húngaras denunciaram que o governo de Orbán estaria deixando refugiados passarem fome para afugentá-los do país.

“Se são não-governamentais porque receber dinheiro do governo? [No Brasil] empresas públicas não vão financiar ONGs para fazer campanha contra os interesses nacionais”, disse.