Política

Bolsonaro anuncia Ricardo Salles para Ministério do Meio Ambiente

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou neste domingo (9), pelo Twitter, o nome do advogado Ricardo de Aquino Salles, 43 anos, para o Ministério do Meio Ambiente. Ele é o 22º ministro confirmado pelo atual governo.

O anúncio é uma vitória para a bancada ruralista. Nos últimos dias, entidades ligadas ao setor produtivo publicaram notas de apoio à nomeação do advogado.

O ministério era disputado também pelos militares, que defendiam a nomeação de um general. Outro nome cotado para a pasta foi o do delegado Alexandre Silva Saraiva, superintendente da Polícia Federal no Amazonas, mas não decolou. A indicação do engenheiro agrônomo Xico Graziano, ligado a lideranças tucanas, também estava sendo analisado.

Nas últimas eleições, Ricardo Salles concorreu ao cargo de deputado federal em São Paulo pelo Novo, mas não foi eleito e obteve 0,17% dos votos válidos.

Fundador do Movimento Endireita Brasil (MEB), Salles já foi secretário do Meio Ambiente de São Paulo durante a gestão do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). Antes disso, atuou como secretário particular do tucano.

Em setembro, o advogado foi denunciado pelo Ministério Público Estadual de São Paulo por improbidade administrativa e condenado a pagar multa de R$ 70 milhões.

A denúncia é por suposta adulteração dos mapas de zonas de manejo da APA (Áreas de Proteção Ambiental) da Várzea do Rio Tietê enquanto ocupava a secretária do Meio Ambiente. De acordo com a investigação, o plano de zoneamento havia sido alterado como forma de flexibilizar determinadas áreas para atuação de atividades de mineração e indústria.

Salles advogado nega irregularidades e diz que as medidas tomadas para “corrigir” o plano de manejo da APA do Tietê eram “necessárias”.

“Sou réu, mas não há decisão contra mim. São todas favoráveis a mim. Todas as testemunhas foram ouvidas, todas as provas produzidas e o processo está concluso para sentença, pode ser sentenciado a qualquer momento. Todas as testemunhas ouvidas, de funcionários do governo e fora, corroboraram a minha posição”, afirma Salles.

Recuo de Bolsonaro

Com intuito de enxugar o número de ministérios, Bolsonaro chegou a anunciar o fim da pasta do Meio Ambiente e a sua fusão com a Agricultura, mas recuou após ter sido alvo de críticas tanto dos ambientalistas quanto dos setores produtivos. O presidente eleito, que disse que teria “no máximo” 15 ministérios, chegará a 2019 com 22 pastas.

Ainda assim, o presidente eleito pretende transformar o Ministério do Meio Ambiente. Uma das modificações que mais preocupa os ambientalistas é a união dos órgãos reguladores Ibama e ICMBio.

Para Bolsonaro, a legislação ambiental é um obstáculo ao desenvolvimento do País. Segundo ele, há uma “indústria de multas” no setor ambiental que se assemelha “a que existe no asfalto”, referindo-se a radares de monitoramento de velocidade nas estradas.

“O governo é especialista em perseguir quem trabalha no Brasil”, disse. Bolsonaro afirmou que “o Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente”, mas que alguns fiscais ambientais cometem abusos. “Esse pessoal vai deixar de trabalhar dessa forma”.