Notícias

Baianos repetem posição e maioria vota contra Temer

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Assim como na primeira sessão que livrou Michel Temer da primeira denúncia em agosto, a maioria dos parlamentares baianos, ao contrário do placar geral da Câmara dos Deputados, votou contra o presidente. Os deputados repetiram as posições que tiveram na primeira denúncia e o placar foi o de 21 votos em favor da denúncia e 14 favorável ao relatório do deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que rejeitou as acusações da Procuradoria Geral da República e pediu arquivamento da matéria. A novidade foram as ausências de três parlamentares: Erivelton Santana (PEN), José Carlos Araújo (PR) e Márcio Marinho (PRB).

Não só isso, também chamou a atenção o fato de o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM) ter chamado ao microfone para votar somente 38 parlamentares baianos, de uma bancada de 39. A TARDE apurou que a cadeira vaga foi consequência de uma negociação direta com o Planalto.

Petistas e aliados de esquerda aproveitaram para discursar contra as medidas de Temer e a “compra de votos” durante os 15 segundos ao microfone. Já Lúcio Vieira Lima (PMDB), que está sendo investigado por suposto envolvimento com o “bunker” onde foram encontrados R$ 51 milhões atribuídos ao irmão Geddel Vieira Lima, foi lacônico. Dirigiu-se ao microfone e disse um rápido “sim”.

O deputado Fernando Torres, do PSD do senador Otto Alencar, brincou com Rodrigo Maia. Disse que votaria em favor da denúncia embora gostaria de votar no presidente da Casa para a presidência da República.

Emendas

Os votos favoráveis ao arquivamento da denúncia foram alvo de ataques de partidos opositores, que acusaram parlamentares de barganhar com o governo em troca de liberação de emendas parlamentares. Daniel Almeida (PCdoB-BA) acusou um deputado baiano do PPS de receber R$ 100 milhões em troca de apoio à Temer na Câmara.

“É lamentável que tudo isso está se transformando num balcão de negócios. O governo está usando o exercício da presidência para transformar ele num escudo, no objetivo de proteger a si e os ministros que estão lá”, disse Almeida, na quarta-feira, 25, ao apontar a manipulação do orçamento no Palácio do Planalto para beneficiar na Bahia aqueles que votaram sim ao arquivamento da denúncia.

Almeida ainda acredita que o governo segura o empréstimo de R$ 600 milhões – já autorizado – do Banco do Brasil ao estado. “É uma barganha”, aponta o parlamentar baiano. Como moeda de troca, ele acredita, a base aliada da Bahia receberá recursos para abastecer municípios com máquinas e equipamentos para educação e saúde. “As ambulâncias do Samu estão sendo repostas e serão passadas por meio de emendas a deputados que se comprometem com o governo”.

Empréstimo

Sobre o empréstimo do Banco do Brasil, Cláudio Cajado (DEM-BA), que votou pelo arquivamento da denúncia, acredita que os recursos naturalmente virão ao estado e rejeita a teoria de a liberação para deputados apoiadores do governo se trate de barganha. “Essa execução é obrigatória e tem que ser executada até dezembro. Quero que os números digam isso, não só a oposição”, afirmou.

O baiano do DEM afirma que a permanência de Michel Temer na presidência do Brasil até o término do mandato é benéfica à Bahia, e que o presidente trabalha em harmonia com o estado. “O dano é maior ao país se ele sair do que ficar. Para a Bahia, os recursos estão chegando, em várias áreas, como educação, saúde, mobilidade, meio ambiente”.

Apesar de vitoriosa no estado, a oposição faz apenas pressão política de momento, como ressalta Cajado. “ACM Neto sofreu retaliação de Dilma e Lula, que não liberavam nada para a prefeitura de Salvador, alegavam que tinha problema no orçamento, de documento. Agora, fora do poder, a oposição diz a demora para a liberação do empréstimo do Banco do Brasil é perseguição política”.

Repercussão

João Gualberto (PSDB-BA) faz parte da ala tucana que votou contra o presidente Michel Temer e, na sessão desta quarta, independentemente do resultado, o parlamentar baiano aponta a “vitória do PSDB”, por “mostrar que quem manda no partido são os próprios parlamentares, não o governo”, em clara referência à votação de semana passada no Senado, que devolveu o mandato de Aécio Neves (PSDB-MG).

Também nega ter participado de qualquer tipo de barganha. “Disso quem entende é o PT, que fez junto com o PMDB quando trabalharam juntos”. Ele também descarta retaliação do governo à Bahia por mais uma vez ter mais votos que pediam o prosseguimento da denúncia do presidente no STF.

O deputado Imbassahy (PSDB-BA), ministro do Temer que foi deslocado para votar com o governo, nega a possibilidade do partido na Bahia sofrer retaliação devido ao resultado geral da votação no estado, apesar dele próprio ter votado a favor do presidente. Para Imbassahy, o resultado foi “muito bom” e aponta para um “quadro de estabilidade, com base robusta de Temer”.

Líder do PR, partido que se dividiu entre votos favoráveis e contrários a Temer, o deputado baiano José Rocha garantiu que o partido pleiteará mais recursos para obras em rodovias federais na Bahia e em todo o país. O PR domina a pasta de Transportes.

“Claro que vamos pleitear mais recursos para o ministério, que possa atender as demandas das rodovias, ferrovias e aeroportos. Temos que recompor os recursos para atender a infraestrutura que o país merece”, disse ao término da votação em plenário.  À tarde, Rocha rejeitou que a busca por mais recursos se trate de barganha.