Notícias

Bahia tem quatro cidades entre as 10 mais violentas do Brasil, diz pesquisa

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A Bahia tem quatro cidades entre as 10 mais violentas do Brasil com população superior a 100 mil habitantes, segundo o Atlas da Violência 2017. Entre as cidades baianas no ranking nacional, estão Lauro de Freitas, (2º), Simões Filho (5º), Teixeira de Freitas (7°) e Porto Seguro (9º), contabilizando as taxas de homicídio e mortes violentas com causa indeterminada.

Os dados, que foram divulgados nesta segunda-feira, 5, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), consideram o período entre 2005 a 2015. Neste último ano da pesquisa, a média foi de 92,5 homicídios a cada grupo de 100 mil habitantes, conforme o estudo.

Lauro de Freitas, município da Região Metropolitana de Salvador (RMS), tinha em 2015 uma população de 191.426 habitantes e ficou atrás somente da cidade de Altamira (PA). O município da RMS computou, no ano referente, 177 homicídios e 10 Mortes Violentas com Causa Indeterminada (MCVI).

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP-BA) diz não concordar com a metodologia utilizada pelo o Ipea para a contagem das mortes nos estados brasileiros e que os dados divulgados nesta segunda podem ser incoerentes.

O órgão de segurança afirma que é necessário haver uma padronização na coleta destas informações com os estados brasileiros. “Pesquisas como a publicada, em nada vão colaborar para entender a real situação dos municípios e a dinâmica da violência no país’, diz o comunicado.

A SSP embasou a crítica ao Atlas de segurança do instituto, com um exemplo: “Em uma cena de crime com cinco mortos por arma de fogo, na Bahia, e demais estados nordestinos, são contabilizados cinco homicídios. Em outros estados, com essa mesma situação, é contabilizado apenas 1 homicídio. Outro ponto diferente é a utilização da classificação ‘mortes a esclarecer’. Tem estado que no final do ano computa 4 mil homicídios e outras 3 mil mortes a esclarecer. Nestes casos as pesquisas utilizam apenas o dado ‘oficial’ de 4 mil”.

De acordo com a SSP, o Ministério da Justiça reconheceu a falta de metodologia única para contagem dos casos e considerara a criação de rankings de cidades “equivocadas”.

A secretaria apontou ainda a necessidade de o Governo Federal implantar um plano de segurança com investimentos na área para, de fato, as informações sobre a violência sirvam para estabelecer estratégias para diminuí-la.

Os 30 municípios mais violentos

No geral, a Bahia tem oito cidades entre os 30 municípios mais violentos do país. Além das quatro primeiras já citadas, as cidades baianas de Barreiras (14º), Camaçari (15º), Alagoinhas (18º), Eunápolis (19º) e Feira de Santana (30º) completam lista.

 

Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada foram divulgados nesta segunda (Foto: Divulgação | Ipea)

Com 133.202 habitantes, Simões Filho (RMS), que em pesquisas anteriores chegou a ser considerada a cidade mais violenta do país, teve 112 homicídios registrados e 11 MCVI. Já em Teixeira de Freitas, no extremo sul da Bahia, com 157.804 habitantes, foram registrados 114 homicídios e 25 MCVI.

Porto Seguro, no sul baiano, tem população de 145.431 pessoas. Lá, o número de homicídios chegou a 123 e o de MCVI 2. Na região oeste do estado, em Barreiras, com 153.918 habitantes, foi computado 1 homicídio e 119 Mortes Violentas com Causa Indeterminada.

Em Camaçari, na RMS, com 286.919 habitantes, foram 207 homicídios e 16 MCVI. Com população de 154.495 pessoas, o Atlas registrou 103 homicídios e 14 Mortes Violentas com Causa Indeterminada em Alagoinhas.

Novamente no extremo sul da Bahia, Eunápolis, cidade com população de 113.191 pessoas, teve 66 homicídios e 19 MCVI. A 109 km de Salvador, Feira de Santana, município com 617.528 habitantes, teve 218 homicídios e 205 Mortes Violentas com Causa Indeterminada.

Foi divulgada também uma lista dos 30 municípios mais pacíficos, também com população superior a 100 mil habitantes, mas não há nenhum município baiano.

Cidades mais Pacíficas 

Dos 30 municípios mais pacíficos, não há nenhum da Bahia e 24 são da região Sudeste. Os dois primeiros da lista ficam em Santa Catarina: Jaraguá do Sul (3,7) e Brusque (4,1). Depois, aparecem Americana (4,8) e Jaú (6,3), ambos em São Paulo, Araxá, em Minas Gerais (6,8), e Botucatu (7,2), também em São Paulo.

Com taxa de homicídio de 0,65%, Barreiras, no Oeste da Bahia, poderia ser considerada a cidade mais pacífica do país em 2015, de acordo com o Atlas, porque apenas um homicídio foi registrado lá no ano.

No entanto, também em 2015, foram registrados 119 MVCI, que resulta em uma taxa de 77,3 por 100 mil habitantes, o que desloca o município para a relação dos mais violentos.

Perfil das vítimas 

Entre 2005 e 2015 mais de 318 mil jovens foram assassinados no Brasil, segundo o Atlas da violência. Apenas em 2015, foram 31.264 homicídios de pessoas com idade entre 15 e 29 anos, uma redução de 3,3% na taxa em relação a 2014. Uma informação da pesquisa que chama a atenção, é que de cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras.

Conforme os dados, os negros possuem chances 23,5% maiores de serem assassinados em relação a brasileiros de outras raças, sem considerar idade, escolaridade, sexo, estado civil e bairro de residência.

A pesquisa identifica também que 92% das vítimas dos homicídios no Brasil são homens jovens. Em Alagoas e Sergipe, a taxa de homicídios de homens jovens atingiu, respectivamente, 233 e 230,4 mortes de homens jovens em 2015.

Em análise das unidades da federação, nota-se uma grande nota-se uma grande disparidade. Em São Paulo, houve uma redução de 49,4%, nesses onze anos, mas no Rio Grande do Norte o aumento da taxa de homicídios de jovens foi de 292,3%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.