Saúde

Bahia é um dos estados que mais dizem ‘não’ para doação de órgãos

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Só um terço das família autoriza transplante; média de espera na fila é de 2 anos

Quem espera por um transplante de órgão na Bahia precisa ter paciência. Segundo a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), apenas 30% das famílias autorizam a doação de órgãos ou tecidos. O número coloca os baianos entre os três estados com o maior índice de negativa familiar para a doação de órgãos no país.

Em média, os pacientes levam dois anos aguardando por um órgão, mas essa espera é maior em muitos casos porque nem sempre o doador é compatível. A coordenadora da Central de Transplantes da Bahia, Rita de Cássia Pedrosa, acredita que a recusa é uma questão cultural e está atrelada à falta de informação.

“Os baianos são conhecidos por serem acolhedores, por serem solidários, mas quando essa solidariedade tem que acontecer pra valer a resposta que temos é ‘não’. Existe uma questão cultural e um desconhecimento do processo de doação. A legislação que rege a doação de órgãos no Brasil é uma das mais rigorosas do mundo, mas por questões religiosas as pessoas deixam de fazer o bem”, analisou.

A Bahia é credenciada para fazer transplantes de coração, pulmão, córnea, rim e fígado. Em 2017, foram realizados 939 procedimentos como esse no estado, sendo que os doadores, na maioria dos casos, são vítimas de traumas e acidentes.

Nesta quinta-feira (15), a família do estudante de engenharia mecânica Kaíque Moreira Abreu, 22 anos, autorizou a doação dos órgãos do jovem. Ele foi agredido na sexta-feira, quando voltava do Carnaval, no bairro da Graça, e teve morte cerebral confirmada nesta quarta (14). A família não divulgou quais órgãos serão doados.

Procedimento
Até esta quinta, havia 838 pacientes na fila esperando por um rim. Já o número de pessoas aguardando por córnea era de 776. Outras seis aguardam por um fígado, e quatro por um pulmão. Depois que a morte é atestada, o hospital comunica a Central de Transplantes e é essa equipe a responsável por entrar em contato com as famílias para fazer o pedido.

“Algumas pessoas não autorizam a doação dizendo que não querem que o corpo seja mexido, mas quando ele é encaminhado para o IML, ele será aberto. Uma vítima de trauma, por exemplo, terá o crânio aberto para se identificar a causa da morte. Então, esse argumento é contraditório”, argumenta Rita Pedrosa.

Ainda segundo a coordenadora, “alguns dizem que não sabem se o familiar queria ser doador”. “É simples, ele era uma pessoa boa? Uma pessoa que gostava de fazer o bem? Então ele iria querer ajudar alguém que está sofrendo na fila esperando por um transplante”, complementa.

Contra o tempo
Depois da morte, o coração e o pulmão precisam ser transplantados em até 4h. O fígado resiste por 6h. Já o rim pode ser aproveitado de 24h a 36h. A córnea é o mais resistente, podendo ser transplantado em até 12 dias após o falecimento. Nos casos de morte cerebral é preciso aguardar 6h após a constatação para que seja iniciado o procedimento de doação.

Para que o transplante seja realizado são feitos, pelo menos, três exames: dois clínicos e um de imagem, para verificar a qualidade do órgão. Atualmente, além de Salvador, os municípios de Feira de Santana, no Centro-Norte, e Itabuna, no Extremo-Sul, realizam transplantes de órgão no estado.

Na capital, as unidades que realizam esses procedimentos são: Hospitalar Professor Edgard Santos (Hospital das Clínicas), no Canela; Hospital Ana Neri, no Pau Miúdo; Hospital Santa Izabel, em Nazaré; Hospital Português, na Barra; e Hospital São Rafael, em São Marcos. O Hospital Geral Roberto Santos, no Cabula, foi o último a ser credenciado para fazer os transplantes, mas ainda não começou os atendimentos.

A doação de órgãos e tecidos é gratuita. Quem tiver dúvidas sobre o procedimento pode entrar em contato com a Central de Informações pelo número: 0800 284 0444. É importante também conversar com os familiares e deixar claro o desejo de ser doador. Segundo os médicos, cada doador pode salvar, pelo menos, sete vidas.