Notícias

As conversas do atirador de Goiânia com um amigo

O adolescente de 14 anos que disparou em plena aula nos colegas de classe no colégio Goyases, em Goiânia, matando dois e deixando quatro feridos, usava um perfil no Skype com o codinome Adolf e tentava convencer os amigos da mesma idade que o nazismo havia sido positivo para a humanidade.

Logo depois do ocorrido, o pai de um dos melhores amigos do jovem decidiu vasculhar as conversas que o filho mantinha com o atirador na internet e se deparou com as mensagens divulgadas abaixo. Pelo teor do bate-papo, travado entre abril e outubro deste ano no Skype, é possível concluir que o garoto tirava tais ideias de sites de notícias falsas e de teorias da conspiração, como as que propagam que o holocausto dos judeus foi uma farsa e que as imagens dos campos de concentração foram montadas.

Na conversa, o amigo tenta demovê-lo desses pensamentos, mas ele os justifica citando blogs, vídeos e fotos que fazem apologia ao nazismo. Em um momento, chega a dizer que o sueco Felix PewDiePie Kjellberg, um dos youtubers mais famosos do mundo, é nazista. Kjellberg, que faz vídeos sobre games, envolveu-se em uma polêmica em fevereiro deste ano ao veicular em seu canal piadas antissemitas. Depois, ele se justificou dizendo que tudo não passou de uma brincadeira. Youtubers têm como principal público alvo adolescentes da idade do atirador.

O autor dos disparos era considerado pelos pais e professores um ótimo aluno. Gostava muito de ler, tirava notas boas e chegou até a ganhar uma medalha neste ano numa competição da Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA) realizada no colégio. O funcionário da escola, Mauri Aragão Macedo, disse a VEJA que, quando soube do crime, pensou que poderia ter sido cometido por muitos alunos, menos por ele. “Ele nunca transpareceu ser agressivo. Era muito tranquilo”. Macedo é pai de Marcela, de 14 anos, que foi baleada no abdome pelo adolescente — ela continua internada no Hospital de Urgências de Goiânia, mas já tem o quadro de saúde estável.

Segundo a advogada do garoto, Rosângela Magalhães, ele era amoroso em casa e nunca chegou a relatar problemas na escola aos pais, que, conforme ela, foram pegos de surpresa com o crime. O pai é major e a mãe é sargento da Polícia Militar de Goiás, sendo ela a dona da pistola calibre 40 usada pelo filho.

Para os amigos mais próximos, no entanto, ele se comportava de maneira diferente. Segundo eles, o garoto desenhava o símbolo da suástica em seu caderno e no braço e, quando era alvo de brincadeira dos colegas, costumava ameaçá-los. “Vou matar você e sua família”, dizia ele. Os colegas, no entanto, nunca as levaram a sério.

O pai do amigo do adolescente também relatou que no início do ano o seu filho lhe trouxe um desenho em quadrinhos com diversas suástica feito pelo atirador. Ele se assustou ao ver a imagem e explicou ao filho que aquilo era errado.

A Polícia Civil trabalha com a hipótese de que o garoto abriu fogo contra os colegas porque era alvo de bullying. Dois dias antes do crime, um dos estudantes mortos havia lhe trazido um desodorante — ela era chamado na sala de “fedorento”. O delegado Luiz Gonzaga Júnior disse que por ora não considera relevante para o caso as posições políticas do garoto, mas que o Instituto de Criminalística deve traçar um perfil psicológico sobre ele para entender quais foram as  motivações do crime.

Já o promotor Cassio Sousa Lima, que pediu à Justiça a internação do adolescente por 45 dias e o interrogou no último sábado, declarou não ter se convencido de que a única razão foi bullying. “Se fosse isso ele teria matado apenas o primeiro menino e não atirado em todo mundo. Quem vai determinar isso são os peritos, mas é provável que ele tenha uma psicopatia”, disse o promotor.

Conforme a literatura da psicologia forense, a psicopatia só pode ser desencadeada depois dos 18 anos, quando o cérebro está completamente desenvolvido. Antes disso, o diagnóstico que pode ser feito é o de transtorno de conduta. “É preciso, no entanto, ter cuidado com as classificações porque na adolescência há uma suscetibilidade maior para a ocorrência de surtos devido à rápida modificação do cérebro. E isso não pode ser confundido com um transtorno”, disse o psicólogo criminal e neuropsicólogo Leonardo Ferreira Faria, que deve ser chamado para analisar o garoto. Mesmo que seja detectado algum transtorno, o adolescente, por ser menor, só pode ficar internado por máximo três anos, até os 18, segundo a lei.

Veja também