Notícias

Aécio, Dilma, Janot… todos os citados em áudio de Joesley

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

Em quatro horas de conversa, delatores discorrem sobre personagens como a ex-presidente, parlamentares, ministros do STF, membros do MPF e governadores

Na noite de segunda-feira, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, surpreendeu ao vir a público e anunciar a existência de um áudio com informações “gravíssimas” em que Joesley Batista e Ricardo Saud, delatores da JBS, trariam menções desonrosas à Procuradoria-Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Além de, mais importante, falarem sobre crimes não confessados no acordo de delação premiada, o que pode levar à perda dos benefícios que foram concedidos a eles na delação – ambos obtiveram imunidade total em troca da colaboração com a Justiça.

Na manhã desta terça-feira, VEJA acessou com exclusividade o áudio, uma conversa de quatro horas repleta de menções a autoridades públicas, quatro ministros do STF, dois governadores de Estado, dois senadores e dois ex-ministros, entre outros. Abaixo, reunimos nome a nome todos os citados no diálogo entre os delatores. O principal fato não relatado que pode ameaçar a continuidade do acordo são os diversos momentos em que Joesley e Saud dão a entender que o então procurador da República Marcelo Miller, que deixou a assessoria de Janot para atuar em um escritório de advocacia que defende a JBS, atuava em favor da empresa quando ainda era integrante do Ministério Público Federal (MPF).

Veja abaixo todos os citados no áudio:

 

Aécio Neves, senador (PSDB-MG)

Aécio Neves retorna ao Senado

Senador Aécio Neves (PSDB-MG) discursa no plenário do Senado após 46 dias afastado – 04/07/2017 (Jefferson Rudy/Agência Senado)

Joesley e Saud discutem quais serão os alvos das gravações que farão para corroborar a delação. Ao falar de Aécio, Joesley diz que considera o senador tucano como um político menor, mas que topa gravá-lo “só porque ele é bandidão mesmo”. O dono da JBS diz que outros políticos, perto de Aécio, seriam caso de “pequenas causas”. O Ministério Público afirma que a jornalista Andrea Neves, irmã do senador, pediu 40 milhões de reais ao empresário. Andrea alega que o dinheiro seria correspondente a um apartamento da mãe, no Rio de Janeiro, enquanto o advogado de Aécio, Alberto Toron, diz que as palavras dos delatores “não merecem crédito”.

Anselmo Lopes, procurador da República

Integrante da força-tarefa da Operação Greenfield, que tem a JBS como um dos seus alvos, Anselmo é citado durante trecho do diálogo em que Joesley e Saud discutem como a PGR vê uma possível delação. Joesley argumenta não ser coincidência que após um diálogo com o procurador, uma série de movimentações é deflagrada aproximando as investigações da JBS de modo a pressionar a empresa, mas não “mexer com eles”, uma estratégia, na visão de Joesley, para incentivar a delação.

Beto Richa, governador do Paraná (PSDB)

Raimundo Colombo e Beto Richa

Raimundo Colombo e Beto Richa (Julio Cavalheiro/Secom/Ivan Pacheco/VEJA.com)

Saud lamenta ter que entregar governadores de Estado que receberam propina e cita o nome de Richa. Na delação firmada com a PGR, o diretor da JBS afirma ter pago 1 milhão de reais a José Richa Filho, irmão do governador, para sua campanha à reeleição em 2014. .

Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF)

A presidente do STF é citada de forma superficial pelos delatores. Saud fala que a ministra é próxima da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Ciro Nogueira, senador (PP-PI)

É o interlocutor de gravação que Ricardo Saud se preocupa de ter perdido e que eles decidem não usar. Joesley e Saud comentam sobre trecho em que o senador, que é presidente do PP, fala sobre derrubar a Operação Lava Jato. Eles comentam que Ciro Nogueira mencionou usar o Funcef, fundo de pensão dos funcionários da Caixa Econômica Federal, indicações ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e à própria Caixa, além de ter ouvido que Marcelo Odebrecht gostaria de dar 40 milhões (a moeda não fica clara) para ele. Joesley diz que gostaria de protegê-lo ao máximo, a quem chama de “esse menino”.

O senador Ciro Nogueira em Brasília

O senador Ciro Nogueira em Brasília (Lia de Paula/Agência Senado/VEJA)

Dilma Rousseff, ex-presidente da República (PT)

A ex-presidente é citada quando Joesley e Saud estão falando a respeito do ex-ministro José Eduardo Cardozo e da intenção de envolver ministros do STF no acordo de colaboração. Saud atribui a Dilma proximidade com ao menos dois ministros da Corte: a presidente, Cármen Lúcia, e Ricardo Lewandowski

Edson Fachin, ministro do STF

O relator da Operação Lava Jato, Edson Fachin, também é mencionado de forma superficial. A dupla de delatores admite ter imagens comprometedoras de ao menos um senador recebendo propina, mas não especificam quem. Joesley ressalta que eles “não vão precisar usar”. Na sequência, ele emenda: “Vamos fazer igual o Fachin agora. Se encontrar…” sem dizer o que isso significa.

Eduardo Pelella, chefe de gabinete do Procurador-Geral da República

É citado quando Joesley e Saud discutem sobre como a possibilidade de uma eventual delação da JBS é vista pela PGR. Joesley diz que ele foi um dos intermediários para que Rodrigo Janot soubesse da situação das investigações contra a JBS na Operação Greenfield.

Fábio Cleto, ex-vice-presidente da Caixa Econômica Federal

Joesley diz que “não tem raiva” de Fábio Cleto pelo fato de o ex-executivo da Caixa ter feito delação premiada. “O que ele disse é verdade”, comenta. Fábio Cleto revelou esquema de corrupção no Fundo de Investimento do FGTS, que teria beneficiado, entre outras empresas, a Eldorado Celulose, do grupo J&F.

Fernanda Tórtima, advogada da JBS

Segundo o diálogo entre Joesley Batista e Ricardo Saud, a advogada Fernanda Tórtima teria “surtado” quando ele cogitou envolver ministros do STF. “Nossa, peraí, calma, o Supremo não, peraí, calma, vai f***r meus amigos”, teria dito, segundo Joesley.

Francisco de Assis e Silva, diretor jurídico da JBS

Segundo um trecho do diálogo, Joesley diz que deu um prazo para que Assis e Silva tivesse relações sexuais com uma das profissionais envolvidas na negociação com o MPF.

Gilberto Kassab (PSD), ministro de Ciência e Tecnologia

Sem especificar a origem, ele fala de um pedido de “40 e tantos” em nome do ex-prefeito de São Paulo. E de que teria recebido uma reclamação posterior, de que “uai, Ricardo, estão faltando 7 milhões”.

Gilmar Mendes, ministro do STF

Saud sugere a Joesley a opção de “esquecer a briga” com Gilmar Mendes, um fato que teria provocado um desentendimento entre o ministro e uma pessoa não identificada. Saud sugere esquecer e “pegar os três”, incluindo a presidente da Corte, Cármen Lúcia, e Ricardo Lewandowski, estes dois que seriam próximos da ex-presidente Dilma Rousseff. Gilmar seria um dos alvos caso desse certo o plano de acionar o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (PT) para gravar magistrados.

Guido Mantega, ex-ministro da Fazenda (PT)

No diálogo, Joesley torce para que Guido Mantega seja preso antes que os executivos da JBS fechem o acordo de delação premiada, o que seria “melhor para nós”. O ex-ministro é acusado, na delação de Joesley, de intermediar “vantagens indevidas” aos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, ambos do PT.

cardozo_2

O ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (Divulgação/Divulgação)

José Eduardo Cardozo, ex-ministro da Justiça (PT)

Eles relembram ter discutido a possibilidade de arrastar o ex-ministro para o acordo de delação com a PGR. Cardozo é visto como uma forma de “pegar o Supremo”. Em outro momento, em uma referência a “o cara” com quem está conversando, que pelo contexto é possível aferir ser Cardozo, diz ter influência sobre cinco ministros do STF. O ex-ministro diz que “lamenta muito todos esses fatos absurdos”.  

Marcelo Miller, ex-procurador da República

É o personagem com situação mais delicada após a divulgação dos áudios. Trechos dos diálogos entre Joesley e Saud dão a entender que Miller atuou em favor da JBS quando ainda estava no MPF, órgão em que assessorou Rodrigo Janot. Ele teria se encarregado de dizer ao procurador-geral que os executivos da empresa seriam “o pessoal que vai nos dar todas as provas de que precisamos”. Depois da exoneração, o ex-procurador atuou na banca de advogados Trench, Rossi & Watanabe, que participou do fechamento do acordo de leniência da empresa de Joesley.

Raimundo Colombo, governador de Santa Catarina (PSD)

Ao lado de Beto Richa, o outro governador citado por Ricardo Saud como tendo recebido propina é Colombo. No acordo de delação premiada, Saud afirma ter pago propina de 10 milhões de reais para a campanha do governador em 2014. Ele também envolve o advogado Antonio Gavazzoni, ex-secretário da Fazenda de Santa Catarina.

Ricardo Lewandowski, ministro do STF

Saud afirma a Joesley que “o cara” com quem está falando, uma provável referência ao ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo (PT), diz ter influência sobre cinco ministros do Supremo. O diretor da JBS disse que isso seria possível “só se eles contam o Lewandowski até hoje”. Leia mais aqui.

Rodrigo Janot, procurador-geral da República

É citado diversas vezes ao longo das quatro horas de áudio. Em um momento, Joesley descreve o que acredita ser um “jogo” para pressioná-lo a delatar, que seria articulado por Janot: cercar a JBS sem efetivamente atingi-la, para persuadi-lo das vantagens de colaborar com a Justiça.

Ticiana Villas-Bôas, esposa de Joesley Batista

Joesley conversa com Ricardo Saud, em tom jocoso, refletindo sobre o momento em que vai ter que contar à esposa, a jornalista e apresentadora Ticiana Villas-Bôas, as suas “traquinagens”.