Carros

1.0 de três cilindros dá nova vida ao Fiat Mobi

A ODONTOLÓGICA é a principal Clínica da Chapada Diamantina. Atende as regiões de Itaberaba, Iaçu, Boa Vista do Tupim, Ruy Barbosa, Itaetê, Marcionílio Souza, Wagner, Utinga, Lençóis, Andaraí, Nova Redenção, Lajedinho, Ibiquera. Realiza atendimentos com especialistas em odontologia nas áreas de ortodontia, implantes, cirurgia, endodontia (tratamento de canal), odontopediatria, restaurações, periodontia, laserterapia, estética. Procedimentos Realizados: Restaurações, Estética, Periodontia, Tratamento de canal, Ortodontia, Aparelho ortodôntico, Extrações, Profilaxia, Remoção de tártaro, Implante, Enxerto ósseo, Levantamento de seio maxilar, Implantes Carga Imediata. Dr. Gardel Costa é Doutorando, Mestre e Especialista em Implantes, Especialista em Ortodontia, pós-graduado pela New York University.

A Fiat está apresentando uma nova versão para o Mobi batizada de Drive. A novidade, apresentada durante o Salão do Automóvel, é a utilização do motor 1.0 de três cilindros Firefly, já adotado no Uno. Além da motorização exclusiva, a nova configuração também terá, apenas em 2017, a opção de câmbio automatizado Dualogic de cinco marchas, além do manual de cinco velocidades que vem de série. Confira o que muda e como anda o Fiat Mobi Drive 2017, que custa R$ 39.870. As demais versões do Mobi com motor 1.0 de quatro cilindros continuam sendo oferecidas sem alterações.

 

Ficha técnica do novo motor e equipamentos da versão Drive

1.0 de três cilindros dá nova vida ao Fiat Mobi© Texto: Thiago Moreno / Fotos: Divulgação 1.0 de três cilindros dá nova vida ao Fiat MobiO motor 1.0 da família Firefly da Fiat tem três cilindros, é flex, conta com duas válvulas por cilindro, seis por total, variador de fase para o comando de vávulas, coletor de admissão longo para priorizar o torque em baixas rotações, pré-aquecimento das linhas de combustível para dispensar o uso de tanquinho na partida a frio e elevada taxa de compressão: 13,2:1. Assim, como no uno, desenvolve 77 cv de potência e 10,9 kgfm de torque com etanol. Com gasolina, os números respectivametne são 72 cv e 10,3 kgfm. O câmbio é manual de cinco velocidades e, exclusivamente na versão Drive, há a opção de câmbio automatizado Dualogic de cinco velocidades.

Com o conjunto de câmbio manual, a Fiat promete um consumo com etanol de 9,6 km/l em uso urbano e 11,3 km/l no uso rodoviário. Com gasolina os números são 13,7 km/l e 16,1 km/l. Já nos equipados com a caixa Dualogic, o consumo com etanol é até melhor: 9,8 km/l na cidade e 11,1 km/l na estrada. Para a gasolina os números são 14 km/l e 15,9 km/l.

Entre os equipamentos de série, a maior novidade do Mobi Drive é a utilização da direção com assistência elétrica. Além disso, são de fábrica ar-condicionado, chave canivete, vidros elétricos nas portas dianteiras, trava elétrica, limpador, lavador e desembaçador do vidro traseiro, abertura interna da tampa do tanque de combustível e do porta-malas, volante com regulagem de altura, cintos de segurança dianteiros com regulagem de altura e banco traseiro bipartido.

Opcionalmente, o Mobi Drive pode ter um rádio convencional com conectividade via Bluetooth e USB. Porém, o Drive estreia a opção da central Live On, prometida desde o lançamento do Mobi. Com ela, a interface da central multimídia é a tela do smartphone do próprio usuário, conectando-se via Bluetooth com o carro. Basta baixa o aplicativo Live On disponível para aparelhos iOS e Android, dando acesso também a aplicativos de música e mapas, além de funções do carro.

O pacote de opcionais que inclui o rádio convencional custa R$ 4.500, enquanto o do Live On sai por R$ 4.650. Com qualquer um deles, o pacote extra inclui também faróis de neblina, sensor de estacionamento traseiro, alarme, volante multifuncional, rodas de liga leva de 14 polegadas, console de teto e retrovisores externos com acionamento elétrico e funcção Tilt Down.

Motor novo, vida nova

Apesar de disponível apenas na versão Drive, o novo tricilíndrico é o motor que o Mobi merecia desde o lançamento. Responde bem em baixas rotações e arranca sem ser necessário abusar do pedal do acelerador, diferentemente do 1.0 de qatro cilindros, que exige mais trocas de marcha e rotações elevadas para entregar uma performance similar.

Durante o teste, o iCarros, conseguiu uma média de consumo de 17,7 km/l com gasolina numa unidade com câmbio manual e em trecho rodoviário. O número é melhor que o divulgado pela Fiat. A economia, no entanto, não cobrou seu custo em performance, pois é preciso uma ladeira bem íngrime na estrada para o Mobi perder embalo e pedir reduções.

Outra grata supresa é a utilização da direção com sistema de assitência elétrica. Que é mais leve, rápido nas respostas e perciso que a unidade hidráulica que segue sendo usada nas demais versões do Mobi. Ainda há a opção da função “City”, acionada por botão no painel. Com ela, em velocidade de até 40 km/h, a assitência é ainda maior e o volante fica bem leve para manobras.

Vai vender? – A previsão da Fiat é a de comercializar cerca de 4.300 unidades do Mobi em 2017, já com a entrada da versão Drive, que deve responder por até 20% do total. Bem equipado, com preço competitivo e com um motor que corresponde às expectativas de sua plataforma moderna, o Mobi Drive está entre as melhores escolhas do segmento de entrada.